segunda-feira, 30 de abril de 2012

TROVA

A vida nos exige sabedoria e loucura.

Olhar de principiante e entrega à aventura.


Ao mesmo tempo a espera paciente que atura.


Noutro lado a infinita força da bravura.


Rogamos pela providência da cura.


Com a simplicidade franciscana da lisura. 



Nathalia Leão Garcia

Rio, 30 de abril de 2012.






FAMILIARES FRAGILIDADES




Vamos permitir que os momentos de solidão

Sejam bem aproveitados.

Preparando a nossa sala de visitas

Para receber os convidados.

Simplesmente aceitando as nossas fragilidades.

Mantendo-nos fiéis às nossas mutantes verdades.

Somos seres multifacetados.

Nossa imagem se reflete em luz sobre espelhos.

O cenário é uma colcha de retalhos.

Palco para a encenação de muitos enredos.

Arena de feroz embate entre todos os medos.

Nathalia Leão Garcia
Rio, 30 de abril de 2012 

À FLOR DA PELE



Todos os sentidos se encontram à flor da pele
Nesse espaço repleto de ilusão.
O silêncio povoa os meus desertos.

Há vastos terrenos onde o campo está minado
Enfrento o vazio das multidões
Procuro pelo tumor mal curado.

Palavras se esvaem aos milhões
Esperam ansiosas pelo trem
que as levará por caminhos incertos.

Dores antigas mandam recado
Minha solidão está aberta à visitação.
Precisa encontrar sentido, ser devassada
Quer preencher seus quartos, ser habitada.

Vende-se o último lote descampado!
Sem drama ou sofrimento inútil.
Expõem-se feridas abertas aos curiosos olhares.
Despe-se a máscara e o discurso fútil.
A alma solitária apela por compaixão.

Nathalia Leão Garcia
Rio, 30 de abril de 2012



sábado, 28 de abril de 2012

O MENINO DE AZUL




Era uma vez um menino azul
Costumava sonhar com esse anjinho
Que voava sorrateiro pelas minhas noites
E clareava os meus dias mais cinzentos
Suas asas macias ele me roçava
E me fazia promessas
Ele me oferecia sorrisos e me fugia
Rondava meus caminhos e me escapava
Lindo menino todo azul!
Era assim que eu o imaginava
Um caleidoscópio a sua imagem refletia
Num prisma de luz que me banhava
Com as projeções de seu espectro sutil
Um divino milagre me fez guardiã e mãe
Desse anjo que se fez menino.
Meu sonho tornou-se uma doce realidade.
Adentrei a mansão dos puros sentimentos.
Onde moro com meu principezinho envolto em azul.

Nathalia Leão Garcia
Rio, 28 de abril de 2012.





sexta-feira, 27 de abril de 2012

O VENTO E O TEMPO


Viva a inexorável transitoriedade!
Tudo passa!
O tempo atravessa a traça.
Desapegue-se!
Atreva-se!
Deixa ir, deixa arder!
Pra que sofrer?
Melhor é viver.
Escute o recado do vento
Que leva para longe o que já não é seu.

Nathalia Leão Garcia
Rio, 27 de abril de 2012.



DOCES BÁRBAROS


Bálsamos, dádivas, prodígios e alentos. 
Somos convidados para a divina ceia. 
Santa seiva da vida. 
Ao que pedirmos com fé. 
Seremos atendidos. 
Fogo e fel. 
Ambrosia e mel.
Apelos sussurrados.
Transformados em uivos.
Gritos indomáveis.
Todos os pecados serão perdoados.
Afinal, somos seres amáveis.
Amados e amantes.
Depois que provamos desse fruto proibido. 
Mais nos embriagamos dessa inebriante bebida.
Oh liberdade roça as suas asas no meu regaço!
E me rouba de vez!
Vou me aventurar!
E despencar nesse doce precipício!

Nathalia Leão Garcia
Rio, 27 de abril de 2012.



quarta-feira, 25 de abril de 2012

DESAPEGAR



Esquecer, to forget, oublier, dimenticare, olvidar.
Esquecer é um belo verbo.
Não se acanha em nos convidar 
Não importa em qual língua. 
Sua verve ferve.
Vai-se e nos deixa a míngua.
E a nossa lembrança a se apagar.
Resta-nos só o olhar.
E o abusado do novo a dançar
A ocupar os espaços vazios 
Deixados pela angústia. 
A nos maltratar, a nos maldizer.
Reter para quê?
Se pudermos ser livres!
Se pudermos ser felizes! 


Nathalia Leão Garcia
Rio, 26 de abril de 2012 



ETERNO FEMININO


Divinas damas.
Lobas líderes.
Demônios famintos.
Desejos díspares.
Perdem-se nos labirintos.
Surpreendem como caçadoras.
Estes diligentes seres.
Matam para proteger suas crias.
Abnegadas e protetoras.  
Vagueiam pelas ruas vazias.
São alquimistas admiráveis!
Transformam noites frias em quentes.
Inteligentes e notáveis.
Não cabem nos estreitos recintos.
Entregam-se aos dissimulados tintos.
Empregam esforços ingentes.
Não se atrelam aos freios.
Não resistem aos arrepios.
Entregam-se aos devaneios.
Cumprem papéis aos milhares.
Donas dos segredos dos mares.
Alimentam e acolhem em seus seios.

Nathalia Leão Garcia

Rio, 25 de abril de 2012 


terça-feira, 24 de abril de 2012

NAVEGAR É PRECISO


Minha nau desgovernada atravessa as correntezas.
Nado para não me afogar no mar de incertezas.
Mergulho nas águas profundas que me instigam.
Não utilizo mapas nem cartas náuticas.
Na minha viagem, misteriosos destinos me fascinam.
Sobrevivo aos naufrágios.
Instintos me orientam. 
Não há bússolas. 
Nos mares também pago os pedágios.
Oceanos de sonhos me enfeitiçam.
Peço à sereia Mãe d'água que me guie.
Meu cais é feito de promessas.
Os faróis e suas luzes me ofuscam.

Nathalia Leão Garcia
Rio, 24 de abril de 2012 






ENFRENTE E VERSO


Tudo tem frente e verso.
Mesmo o perverso traz em si o solidário!
O reprimido se faz indomável. 
O insano carrega o lúcido.
Da loucura irrefreável se chega à cura.
Pela procura se chega ao fim. 
Um lado contempla o outro.
Metade de mim é vulcão
E a outra metade é doce canção.
Eu me perdi pra me achar!
Olhar agradecido pela mesma febre partilhar!

Nathalia Leão Garcia
Rio, 19 de abril de 2012



CANTO PRIMITIVO


O medo e o inesperado.
Silêncio e solidão. 
Cala-se o grito.
Cessa o agito. 
Mas permanece essa inquietação. 
O descaminho mais intrincado. 
Arrasta consigo dúvidas e dádivas.
Sede, fome e frio.
Necessidades que me definem e me tornam confiável. 
Enfrentar os demônios é preciso.
Viver é impreciso. 

Nathalia Leão Garcia
Rio, 24 de abril de 2012 



sexta-feira, 20 de abril de 2012

QUASAR


Este texto nasceu da inquietude que me queima as entranhas.
Procuro a palavra que povoe os seus mistérios.
Ofereço-me aos prazeres mais delirantes.
Desfolho-me e tateio os tecidos mais delicados.
De que são feitas as tramas e as manhas.
Quero que meus uivos insanos
Provoquem terremotos.
Derrubem muros.
Levantem os mortos.
Quero espalhar meu canto
Que pulsa como quasar.
Quase que por um instante.
Única e sua!
Úmida e nua!
Meus moinhos movem águas profundas.
As águas revoltas que me fazem atrevida.
São as mesmas águas que me acalmam e purificam.
A poesia nos une e nos eterniza!

Nathalia Leão Garcia
Rio, 20 de abril de 2012



quinta-feira, 19 de abril de 2012

A LIBERDADE TEM PREÇO



Liberdade... O que não fazemos para alcançar esta caprichosa dama?  
Ah traiçoeiro sonho que rasga as nossas roupas ao adentrarmos a sua sala de espera!
Inebriante poção mágica que nos envenena!
Despe, cospe , amassa, mói até alcançarmos a pureza!
Pagamos um preço tão alto por desejarmos ser livres!
“Cuidado com o que deseja, pois poderá ser atendida”.
E agora o que você vai fazer com isso?
Por tantas vezes temos que lidar com as nossas compulsões.
Entrar na vida adulta, ter que enfrentar os nossos demônios.
Não é fácil lidar com as nossas frustrações.
Trocamos a liberdade por casamentos que são refúgios perfeitos!
Doce gaiola dourada, grilhões, ilusões, sedução!
Segurança e cuidado. Aprovação e aceitação.
Pensamos ter achado as chaves do paraíso.
Somos capazes de nos satisfazer como mães e esposas.
Precisamos significar a perfeição neste cuidado familiar. 
Porém esta é apenas uma faceta da existência.
E os anseios por mudar o mundo, ser independente, moderna e forte?
Não dá para ser feliz sendo fração!
“Ou você é feliz ou é bom” , diz o Zen Budismo.
Já ouvi de um homem que não tenho inteligência emocional. 
Jamais coube na moldura social que escolheram para mim.
Os homens de um modo geral temem as mulheres que os desafiam. 
É difícil lidar com a sua imagem gêmea refletida no espelho. 
Mulheres independentes são ruidosas e espaçosas.
O custo extorsivo desta “paz”, de manter este status de “pertencer” a alguém é se deixar algemar pelas poderosas mãos que afagam e ferem.
Brincar de ser exímia cozinheira, amante tântrica, decoradora, chefe de obras, psicóloga, mulherzinha, bibelô e até boneca inflável!
Abandonar-se, confundir seus projetos, adotar a identidade do outro, passar a ser sua extensão simbiótica. 
Facear a traição, a humilhação, o assédio moral, a mesquinharia financeira e emocional.
A cultura machista desqualifica e coisifica a mulher. 
São controladoras e manipuladoras no subterrâneo. 
À luz do dia são submissas como gueixas, servis imolam-se, aniquilam-se por seus maridos e filhos.
Libertação só às duras penas, debaixo de fogo cruzado. 
A dor é só minha!
Não há alguém para compartilhar. 
Na luta pela liberdade corri com os lobos, fui gladiadora.
Foi um longo caminho de volta para mim.
Sou dona do meu nariz, não devo satisfações a ninguém,
Porém como Atlas, carrego o mundo nas costas...
Por vezes este excesso de liberdade me sufoca... 
A solidão dói e me rói.
A busca contínua por partilhar doces delícias, sonhos, angústias e dívidas. 
Amor, amizade e respeito são inegociáveis!
As malditas cicatrizes abrem as feridas e expõem a carne viva.
Conquistei o meu lugar no mundo, vasto mundo. 
Sou eu mesma minha senhora.
Respeito a minha própria imagem refletida no espelho. 
Procuro que o convívio comigo mesma se torne ao menos suportável. 
Mereço meu nome, mas a solidão, essa traiçoeira, teima em me rondar. 
A liberdade contempla a solidão.
O trabalho instiga-me e identifica-me na multidão. 
Não tenho uma rotina rígida.
Há muito espaço para o imprevisível. 
Invento os meus roteiros. 
A paixão permeia os meus dias
Acabei de romper com alguns dos meus maiores sabotadores internos:
Cometi a “heresia” de criar meu próprio Blog de poesias. 
Escrever poesia? Quem diria?
Eu posso, faço e gozo!
Pago impostos, pago os meus pecados, pago mico, pago caro!
Sou dona do meu destino!
!Pero, sin perder la ternura jamás!

Nathalia Leão Garcia
Rio, 16 de abril de 2012 







segunda-feira, 16 de abril de 2012

PARABÉNS RIJAT

Parabéns RIJAT! 


Vibramos nesta noite de domingo memorável e 

festejamos a alegria na expressão do talento dos 

nossos meninos Thiago OttoniAlex Fernandes e 


Jovens talentosos, idealistas!

Vocês fazem a diferença num mundo cheio de lugares

comuns e com tantos espaços estreitos e tortuosos! 

Mas vocês arrombam as portas e invadem o cenário

com seus acordes furiosos e urgentes!


Parabéns aos nossos meninos e também às suas 

famílias que os embalaram e os apoiaram para

alçarem seu vôo!

"Voa" sonho bem alto!

Espalhem o seu canto de liberdade!

Desafiem os conceitos ultrapassados da "Humanidade 

offline"! 

Beijos! 

-- 
Nathalia Leão Garcia

Rio, 16/04/2012


sábado, 14 de abril de 2012

BISOUS


Ângela querida!
Aqui estou na minha visitinha prometida ao seu Blog Bisous - Crônicas e músicas http://bisous-angela.blogspot.com.br/!
Encantou-me a sua frase: " Essa é uma das grandes alegrias da vida depois de certa idade. Vivemos achando alguma coisa de suma importância!" 
Linda imagem!
Assim é a metáfora da vida :precisamos perder algo para achar o que realmente é importante para nós!
Um beijo carinhoso, 
Nathalia Leão Garcia.
Rio, 14-04-2012


SUBVERSIVA


Na vida só a mudança é certa.
Retas "dizem" : opção correta!
Porém prefiro errar 
Sigo em curvas 
Insidiosas e turvas
Tortuosos labirintos me atraem
Dispenso certezas enganosas
Vejo os sofismas que me traem
Insisto em tramas sinuosas 
Paraísos falsos me distraem
Mas eu sempre retorno aos infernos astrais
Há perigo em cada esquina
Saio sozinha e atravesso temporais  
O tênue equilíbrio me ensina
Perder o juízo e abrir os portais
Revelar incertezas e tramas da sina
A alma me guia por caminhos amorais
De janeiro a janeiro a estrela matutina
Deusa do amor e da beleza inspira nós mortais  
Oh Vênus me ilumina!
Doce,amargo,ácido e salgado: prazeres sensoriais 
Mente que prova a diversidade sem disciplina
Percorre distâncias abissais 
Bagunça,provoca sentidos e me inclina
É disso que vivo em buscas colossais 
Iludindo o tempo e a monotonia cretina
Prossigo em descompasso e rebeldia imortais 

Nathalia Leão Garcia 
Rio, 14/04/2012



PARABÉNS HERALDO BORN

Parabéns amigo
Muito mais que querido
Que me serve de abrigo
Quando me sinto perdido
Me leva contigo
Com seu jeito contido
Seus conselhos eu sigo
Inspira cuidado 
Como um pássaro ferido
Meu amigo amado
Mente aberta
Coração escancarado
Espírito sempre alerta
Nunca teme o passo arriscado
Não desista, insista! 
Nos sonhos acalentados invista
Finge que esquece a rotina nefasta
Coragem e força de ariano
Cientista, artista e cineasta
Seu estilo franciscano
Não se cansa de mudar de esquema
Nem se entrega ao delírio insano
Ciência, arte e cinema
Se combinam no meu profeta profano
Brinca e dribla o sistema
Hoje completa mais um ano
Aceita esta oferta em forma de poema
Que viaja até o seu refúgio Teresiano!

Nathalia Leão Garcia - Rio, 14/04/2012 



quinta-feira, 12 de abril de 2012

ALMA IMORAL


Ah essa alma indomável...
Caprichosa e sem pudor.
Não se preocupa, desfruta.
Alma mitológica, coletiva.

Nossa alma recôndita e impalpável.
Diáfana, misteriosa e subversiva.
Oh alma imoral!
Nos serve de álibi essa bandida..

Para a libertação do corpo traído e traidor.
Não há pecado nos domínios da alma.
Toda vontade é acolhida!

Sonhos e desejos descarados 
Passam sem censura, desnudos e desatados.
Na vigília a farsa é natural.
Na poesia onírica todos pecados serão perdoados.

Nossa melhor porção que nos resguarda e acalma.
Na alma não há o grilhão do julgamento.
Arde, queima, incendeia a vida reprimida
Desapegada alma que dispensa o tormento

Incorpora  de vez e nos insere nesta tântrica dança.
Subverte os códigos há muito tatuados.
Anula os sensores do superego e nos faz criança.

Ah essa Inconsequente safada!
Arranca as raízes repressoras do juízo.
E nos concede enfim a chave do paraíso!

Nathalia Leão Garcia

Rio, 12/04/2012





terça-feira, 10 de abril de 2012

AO MESTRE PEDRO TORNAGHI


Pedro, muito obrigada por compartilhar este texto maravilhoso " Procurando no Lugar Certo" do seu Blog  - http://pedrotornaghi.com.br/blogger/ que nos guia para luz nesses caminhos tortuosos em busca da evolução interior! 
Passamos por um grande transformação cósmica no planeta e para  seu momento especial de “salto quântico” , precisamos usar o  "Poder do Agora" que é um livro que amo escrito por Eckart Tolle. Ele é incrível e acerta na mosca quando fala da necessidade de desapego e de nos libertarmos do passado  e nos concentrar no presente que é tudo o que temos. 
Passamos boa parte da vida tentando reter o passado e adiando nossas conquistas para algum dia distante quando internalizamos que seremos felizes. 
Esquecemos de ser felizes no processo. 
Nada é permanente...
Aja com simplicidade, apenas aceite a vida como ela é. 
Cuide do seu jardim para atrair as borboletas.... 
Nós não nos damos conta com facilidade do fim das coisas , isso é o inexorável da vida! 
Era necessário este aprendizado! 
Não se aborreça, nem se indigne, apenas encare com serenidade. Não podemos controlar a vida nem as pessoas! 
Agora é fluir com o ritmo da vida. 
Precisamos nos tornar conscientes dos pensamentos e emoções que nos impedem de vivenciar plenamente a alegria e a paz que estão dentro de nós mesmos. 
Nosso verdadeiro poder está nas escolhas que fazemos.
Podemos ser mais conscientes e responsáveis através das nossas atitudes! 
Continue trilhando este belo caminho de luz e conquistando mais admiradores-guerreiros dispostos a se desarmar para receber o amor divino em suas vidas!

Nathalia Leão Garcia 

Rio, 10 de abril de 2012





À BEIRA DO PRECIPÍCIO



Encanta-me e eleva-me o astral, a maneira como fluem as palavras sob a sua batuta maestro! 
Vem a minha cabeça o que você escreveu sobre o que é que é isso que existe entre a gente, que empolga, encanta e entorpece? .... 
Depois de nos unirmos e nos tornarmos um só já não conseguíamos mais nos separar... 
Assim se desvelou o mistério! 
Há algum tempo já não tenho mais certezas. 
Acabou-se a minha ingenuidade e amansou-se a 
postura de sabichona que envergava.... 
Livrei-me da antipatia preliminar nos meus encontros, fruto da maior insegurança, timidez e baixa autoestima para supercompensar.
Os questionamentos sobre relacionamentos estáveis ou ocasionais vez por outra me assolam junto com a insônia e a solidão...

Não sou o estilo de pessoa com histórico de relações superficiais, costumo insistir nas tramas mais complicadas.
Vivo enredada em teias que mais parecem puzzles em que tento encaixar peças que se perdem ao longo do caminho...   
As fronteiras foram feitas para serem ultrapassadas e não consigo me sentir aprisionada e me rebelo com frequência...
Amo a diferença e a controvérsia! 
Atenho-me mais às perguntas do que às respostas. 
Busco me relacionar com pessoas que não acreditem no absoluto, mas nas parcialidades. 
Que se abram ao diálogo e não se engessem no doce grilhão das certezas.
Por isso acredito que nos atraímos um pelo outro. 
Você se aventura como eu neste relacionamento vertiginoso e mergulha no abismo desse possível amor.
Não há promessas, só o tempo pra lapidar essa pedra preciosa....
Sinto o teu perfume,  o gosto da tua boca e o calor do teu corpo que tão divinamente se encaixou no meu...
Transmito a você a energia dos nossos beijos "daqueles", o calor desse sol gostoso de inverno e desse desejo que me provoca...

Sua musa...

Nathalia Leão Garcia 
Rio, 27/06/2010




ENVIO AO CÉU

             Meu querido amigo Israel!           Hoje lhe conto da emoção que reverbera no meu ser, com a leitura do Conto Olhos D´água...