segunda-feira, 2 de abril de 2012

DEDICATÓRIA


Rogo que não delate o meu engano.
Meu presente amoroso é solene, arrebatado pela metáfora devoradora da vida.
Imagino e me transporto nele por inteiro.
Através desse objeto, te dou meu todo, te toco com meus sentidos.
Por isso, estou louca de excitação.
Percorro lojas, vago pelas ruas
Teimo em encontrar um bom fetiche.
O fetiche perfeito que se adaptará ao meu desejo.
Meu presente amoroso é  carícia e sensualidade:
Quando você tocar o que eu toquei.
Uma terceira pele nos une.
Eu te dou o presente e você me dá o prazer de usá-lo.
Ao contrário, toda a moral da pureza pede que se afaste o presente da mão que o dá ou o recebe.
E assim, ingenuamente se concebe o prazer.

Ao meu amor ...

Nathalia Leão Garcia
Dia dos Namorados – 12/06/2011




REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA

Escrevo agora pela necessidade de me pronunciar sobre os acontecimentos atordoantes que se desenrolaram nas dependências de nosso Colégio ...