segunda-feira, 2 de abril de 2012

POEIRA DE PAIXÃO

Acordei inspirada...
Culpa da sua falta que cada vez é mais constante.
Não sejas tão ruim!
Devolve a paz que roubou do meu coração!
Ao menos me deixe um ponto de contacto
Através da poesia se conecte com a nave mãe irada...
Disco voador que te leva para longe de mim...
Me ensina o caminho de volta ao planeta distante
Juro te guardar intacto!
Meu anjo, eu sempre quis um amor assim...
Não quero mais ser sozinha daqui em diante...
Fica com o que restou da inundação...
Que fez afundar e explodir no impacto...
Da colisão de um astro escaldante...
Que se fez  poeira de paixão...
O que resultou do meu amor sem fim.

Nathalia Leão Garcia 
Rio, 23-06-2011



O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE: A INSUSTENTÁVEL FLUIDEZ

                                                                                                        O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE:...