terça-feira, 24 de julho de 2012

SINCRONICIDADE


A vida se desdobra
atravessa a cidade
por tantos caminhos se enfronha.
A dor se esconde atrás da vaidade.
O tempo não cala e cobra
A consciência enfadonha,
entrelaça a memória,
persuade a entranha
e corrompe a história.

Rio, 24 de julho de 2012.

Nathalia Leão Garcia



O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE: A INSUSTENTÁVEL FLUIDEZ

                                                                                                        O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE:...