sexta-feira, 17 de agosto de 2012

FÚRIA


A tua poesia rasga as vestes da hipocrisia.
Furiosa decreta o fim da monotonia,
infiltra-se deliberadamente e posseira.
Desnuda as almas e desabriga os dias
que definham suspirando
sem eira nem beira,
simplesmente porque amam
e por amar viverão em busca de aprovação
por um beijo ou por perdão.


Nathalia Leão Garcia 
Rio, 17 de agosto de 2012. 




CONFISSÕES DE UMA REJUVENESCENTE

Na eminência dos 50 anos revigorada Ainda tento colher minhas memórias reticentes A desorganização do meu ser em desalinho esparramad...