quarta-feira, 1 de agosto de 2012

SINFONIA DO SILÊNCIO


  
Desejo e medo
Escuridão e luz 
Som e silêncio
Tudo tem o seu reverso, 
matéria e anti-matéria.
Somos feitos dessas contradições.
A fúria santa que traz a paz.
Criando expectativas surreais 
sobre o que o outro nos dará,
subvertemos a verdadeira ordem.
Sejamos o que somos
sem esperar nada em troca.
Sejamos instrumentos de doação. 
Ofereçamos o fruto da nossa árvore
gratuitamente, generosamente.
Assim a corda se estica e se molda
sem se arrebentar e sem se perder.
Despudoradamente e libidinosamente.
Como o prazer da flor é se oferecer,  
doar seu néctar para o beija-flor 
que poliniza a terra, 
espalhando seu amor.

Nathalia Leão Garcia 
Rio, 01 de agosto de 2012 



O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE: A INSUSTENTÁVEL FLUIDEZ

                                                                                                        O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE:...