sexta-feira, 23 de novembro de 2012

A LOUCURA NOSSA DE CADA DIA



Escrever para se auto preservar
reservar a dose de loucura
a impossibilidade de a cura alcançar.

Desatar nós
soltar os freios
Entregar aos devaneios.

Buscar o amor e aceitação.
Brincar com as teias e os véus.
Brindar ao vento, à dança.
À vida que na corda bamba se balança.

Rio, 23 de novembro de 2012.
Nathalia Leão Garcia 



O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE: A INSUSTENTÁVEL FLUIDEZ

                                                                                                        O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE:...