quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

FELA




Fela, menino doce, fala rascante quando o vento o desafia!
Fia as linhas do tempo que o transforma num grande homem!
Herdou a veia poética do pai e da sua família.
Sobrinho querido que ganhei de presente
com o enamoramento que entrelaçou a minha vida com a poesia!
Fela meu lindo, continua a trilhar este caminho de rosa e espinho!
Reinventa  as dobras do tempo convivendo com o menino e o poeta!
Transforma as trilhas da estrada em letras da canção.
Mui agradecida pela honra da sua admiração!

Rio, 17 de janeiro de 2013
Nathalia Leão Garcia



CONFISSÕES DE UMA REJUVENESCENTE

Na eminência dos 50 anos revigorada Ainda tento colher minhas memórias reticentes A desorganização do meu ser em desalinho esparramad...