segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRANSITORIEDADE



Amar para sempre todos os dias!
A vida é provisória e precária! 
Tudo muda o tempo todo como uma onda!
Acreditamos que tudo era pra sempre, mas o pra sempre, sempre acaba!
É de bom alvitre ter o timing para perceber o momento certo de terminar.
São tantas coisinhas miúdas e papos tortos.
A coisificação na contaminada rotina.
O ex casal romântico namorado vira um casal burocrático casado!
As lendas urbanas masculinas rezam que os homens falem mal das esposas.
Os homens sofrem de dificuldade de assumir a felicidade conjugal quando existe.
Eles contam vantagens no faroeste dos bares sobre as suas eternas conquistas!  
Às mulheres cabe escolherem bem os seus homens e seja lá o que Deus quiser!
Não podemos antever o fim das relações.
Podemos escolher viver mitologias ou a vida real.
É melhor que um romance morra ainda fervilhante pra preservar o frescor e a beleza eterna!
Podemos transformar os ex-amores em grandes amigos.
O romance não merece ser remendado, pois é bonito inteiro!
Vamos viver com intensidade enquanto o amor durar posto que é chama!
Aprisionar o pássaro livre do amor nos grilhões das leis e convenções.
Antigos recursos inúteis que passam pela possessividade, o ciúme, as chantagens.
If you Love somebody set them free! Se você ama alguém deixei-o(a)  livre!
A transitoriedade permeia todos os processos da natureza incluindo a humana.
É hora de viver o desapego!
Preparar o cenário para a nova dança!
Abrem-se as cortinas: é show!


Nathalia Leão Garcia

Rio de Janeiro, 26 de janeiro de 2015.


O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE: A INSUSTENTÁVEL FLUIDEZ

                                                                                                        O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE:...