quinta-feira, 16 de abril de 2015

VIAGEM INSÓLITA


O que me faz abrir as asas,
atravessar as ruas desertas,                   
enfrentar a fome do mundo,
escancarar as janelas e suas travas?

Não possuo fronteiras fechadas.
Meu endereço é provisório.
Minhas estradas estão abertas.
Habito um largo território.

Venci o medo que me assaltava.
Desgarrei-me da solidão.
A insônia não povoa mais as noites.
Libertei-me da crença que me paralisava.

Desmesurei meus limites.
Ousei correr com as feras.
Atravessei as pontes e estamos quites.
Aloprei e ultrapassei as esferas.


Nathalia Leão Garcia


Rio, 16 de Abril de 2015


O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE: A INSUSTENTÁVEL FLUIDEZ

                                                                                                        O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE:...