sexta-feira, 7 de agosto de 2015

TUDO O QUE EU QUERIA TE DIZER PAI


O que faltou de ti
Eu queria dizer-te com simplicidade
O quanto sinto a tua falta.
O que sobrou de ti
Esse mar de saudade
Desaguou em mim
Nessa noite líquida da cidade.

O que faltou de ti
Para compreender
Toda essa similaridade
Sem me perder de ti.
Adotei as tuas risadas
E as tuas palavras mais inspiradas.

O que sobrou de ti
Nessa busca pelas tuas pegadas.
O que faltou de ti
Para eu desenhar a minha história
Reescrevo teus abraços com a minha doçura
Que te ofereço em memória
Mapa de signos da minha loucura
Pra te achar
no inventário da minha bravura.

O que faltou em mim
Pra te dizer
O que sobrou em mim
Pra te amar
O que faltou de ti
Pra não me perder
O que sobrou de ti
Pra me completar

Longe de ti
Trago em mim o teu olhar
Pra te perguntar
O que sobrou de ti?

O que faltou de ti
Vive eternamente em mim
Nada se calou
Na sua ausência
O som da Bossa Nova
Vibra e dança em mim.

O que fazer sem ti?
Tenho paciência
Pra esperar por ti
Quando poderei te dizer
Que te carrego em mim
Eternamente como uma menina
Você povoa meus sonhos de infância.

O que faltou de ti  
Hoje me ensina
Tudo o que quero te dizer
O que sobrou de ti
Perfuma o campo florido
Sopra no vento o meu beijo de criança.
Pra te dizer te amo papai querido!


Ao meu pai Eduardo Garcia de Souza

Nathalia Leão Garcia 
Rio, 07 de agosto de 2015. 

                                             


















Eu e meu pai em 1990               


CONFISSÕES DE UMA REJUVENESCENTE

Na eminência dos 50 anos revigorada Ainda tento colher minhas memórias reticentes A desorganização do meu ser em desalinho esparramad...