sexta-feira, 20 de abril de 2012

QUASAR


Este texto nasceu da inquietude que me queima as entranhas.
Procuro a palavra que povoe os seus mistérios.
Ofereço-me aos prazeres mais delirantes.
Desfolho-me e tateio os tecidos mais delicados.
De que são feitas as tramas e as manhas.
Quero que meus uivos insanos
Provoquem terremotos.
Derrubem muros.
Levantem os mortos.
Quero espalhar meu canto
Que pulsa como quasar.
Quase que por um instante.
Única e sua!
Úmida e nua!
Meus moinhos movem águas profundas.
As águas revoltas que me fazem atrevida.
São as mesmas águas que me acalmam e purificam.
A poesia nos une e nos eterniza!

Nathalia Leão Garcia
Rio, 20 de abril de 2012



REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA

Escrevo agora pela necessidade de me pronunciar sobre os acontecimentos atordoantes que se desenrolaram nas dependências de nosso Colégio ...