domingo, 8 de abril de 2012

FOGO FÁTUO

Quixote, poeta, amigo e irmão!
Emoção que jorra a flor da pele, paixão.
Vulcão que espalha lavas no caminho, chão.
Sentimento que partilha e aproxima, coração.
A poesia nos distingue
A palavra nos resgata do mundano.
Transforma a dor em atalho.
A magia do verbo profano
Serpenteia o ato falho.
O fogo fátuo que nunca se extingue.

Nathalia Leão Garcia- 08/04/2012


O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE: A INSUSTENTÁVEL FLUIDEZ

                                                                                                        O SUJEITO NA PÓS MODERNIDADE:...