quinta-feira, 17 de maio de 2012

ALFORRIA


A troco de quê medir a profundidade do mar,
Ou a altura dos píncaros ou dos precipícios?
Quantificar a força das tempestades,
Saber do vento a velocidade,
Tentar calar o lamento, 
Se nem meus vícios controlo?
Pra quê remediar as dores,
Cruzar os portais,
Se o que quero é me esquecer nos corredores?
Largar o excesso de bagagem,
Me abandonar em qualquer porto,  
O meu destino não quero saber!
Ser livre, leve, solta e sem compromisso!
É isso que quero pra mim!



Nathalia Leão Garcia

Rio, 17 de maio de 2012



CONFISSÕES DE UMA REJUVENESCENTE

Na eminência dos 50 anos revigorada Ainda tento colher minhas memórias reticentes A desorganização do meu ser em desalinho esparramad...